14.11.05

a realidade de pernas para o ar (1)

foi então que o taxista se virou para mim, de olhos esbugalhados e dedo em riste: «é como lhe digo, meu amigo, do que este país precisava mesmo era de um karl marx».