21.8.05

um poema doméstico de joão luís barreto guimarães

«havia um
relógio
de sala
castanho

tão esguio
tão esguio
quase não

ocupava
espaço
nenhum.

o seu
bom-dia
(porém)
espalhava-se pela casa toda»

(in 3, gótica)