23.7.05

um olhar de roland barthes

«por muito fulgurante que seja, o punctum possui, mais ou menos virtualmente, uma força de expansão. essa força é muitas vezes metonímica. kertész tem uma fotografia (1921) que representa um cigano cego, a tocar violino, conduzido por um miúdo; ora aquilo que vejo, através desse "olho que pensa" e que me faz acrescentar qualquer coisa à fotografia, é a calçada de terra batida: a terra dessa calçada dá-me a certeza de estar na europa central.»

(in a câmara clara, trad. manuela torres, edições 70)