31.7.05

um desabafo de sebastião alba

«sinto que já não posso escrever, como dantes, de borco, sob um candeeiro de iluminação pública, em qualquer papel.»

(in albas, quasi)