26.6.05

uma frase de clarice lispector

«saiu da casa da cartomante aos tropeços e parou no beco escurecido pelo crepúsculo – crepúsculo que é hora de ninguém.»

(in a hora da estrela, relógio d'água)